28 de set de 2011

O eterno custo do crescimento?

Recentemente foi inaugurado, com grande alarde, um novo hiper-mercado na cidade. O Bretas São Pedro. Uma enorme construção que ocupa um terreno enorme de ponta a ponta, atraindo diariamente centenas de pessoas.

Antes de tudo quero frisar que não sou, a priori, contrária ao empreendimento do Bretas São Pedro. Além da comodidade óbvia, reconheço sua importância, inclusive na produção de empregos para o bairro e para a cidade. Contudo, também é preciso reconhecer a importância do direito de vizinhança. Desde sua inauguração, os moradores vizinhos, são obrigados a conviverem com o barulho permanente da casa de máquinas do supermercado.

É de admirar que obras como essas possam ser aprovadas sem que haja nenhum estudo de impacto de vizinhança. E é com tristeza que posso afirmar que este exemplo do Bretas é um em vários que poderiam ser citados.

Vivo em Juiz de Fora tem um pouco mais de 6 anos e é com preocupação que tenho observado a forma predatória pela qual a cidade vem crescendo. A cada dia observo mais e mais prédios sendo erguidos. Empreendimentos que anunciam uma vida de conforto, mas que na realidade são feitos sem a observância dos impactos de vizinhança, trânsito, silêncio, aumento da temperatura urbana, bem estar visual e etc.

O bairro onde moro - São Pedro - tem sofrido ferozmente com isso. Não a toa tem aumentado o número de atropelamentos nas ruas principais. Sem mencionar, buracos, capim crescendo, calçadas lastimáveis. Num bairro onde só tem aumentado o número de prédios e outros empreendimentos, não vejo nenhum investimento em melhoria na rede elétrica, de água ou telefonia, no trânsito, na rede de transporte etc. São Pedro caminha para o caos, se medidas não forem tomadas.

São Pedro é apenas um exemplo. Outros bairros poderiam ser citados.

Agradeço se alguma solução puder ser dada em relação ao Bretas, mas aproveito para registrar que muito ainda haverá para fazer.

E peço que repassem essa nota.

Juiz de Fora, 27 de setembro de 2011
Clarice Cassab
Profa. do DEGEO/UFJF

Nenhum comentário: