1 de ago de 2010

Clássicos da Geografia: Elisée Reclus


Élisée Reclus
O homem é a natureza adquirindo consciência de si próprio
Elisée Reclus

Há alguns anos, após ter escrito as últimas linhas de uma vasta obra, a Nouvelle géographie universelle, eu expressava o desejo de um dia poder estudar o homem na sucessão das idades, da mesma maneira como o observara nas diversas regiões do globo, e estabelecer as conclusões sociológicas às quais fora conduzido. Concebi o plano de um novo livro, em que seriam explicitadas as condições do solo, do clima, de todos os ambientes nos quais aconteceram os fatos da história, em que se mostraria a harmonia dos homens e da Terra; em que as condutas dos povos se explicariam, da causa ao efeito, por sua consonância com a evolução do planeta. Tal livro é o que apresento ao leitor.

Logicamente, eu sabia de antemão que nenhuma pesquisa me faria descobrir essa lei de um progresso humano, cuja miragem sedutora se agita, sem cessar, em nosso horizonte, se afasta de nós e se dissipa, para voltar a se formar de novo. Surgidos como um ponto no infinito do espaço, nada conhecendo sobre nossas origens nem nossos destinos, ignorando até se pertencemos a uma única espécie animal ou se várias humanidades nasceram sucessivamente para se extinguir e ressurgir novamente, nós estaríamos pouco à vontade para formular regras de evolução ao desconhecido, para combater o nevoeiro, na esperança de lhe dar uma forma precisa e definitiva.

Não. Mas nessa avenida dos séculos que os achados dos arqueólogos prolongam constantemente naquilo que foi a noite do passado, podemos ao menos reconhecer o laço íntimo que liga a sucessão dos fatos humanos à ação das forças telúricas: é-nos permitido, seguir, no tempo, cada período da vida dos povos correspondentes à mudanças dos meios, observar a ação combinada da natureza e do próprio homem, reagindo sobre a Terra que o formou.

A emoção que se tem ao contemplar todas as paisagens do planeta na sua variedade sem fim e na harmonia que lhes dá a ação das forças étnicas, sempre em movimento, essa própria suavidade das coisas, nós as sentimos ao ver a procissão dos homens sob suas vestes de opulência ou de infortúnio, mas todos igualmente em estado de vibração harmônica com a Terra, que os carrega e os sustenta, o céu que os ilumina e os associa às energias do cosmo. E da mesma forma que a superfície das regiões nos apresenta, continuamente, sítios de beleza que admiramos com todo o poder do nosso ser, o decurso da História nos mostra, na sucessão dos fatos, cenas incríveis de grandeza, cujo estudo e conhecimento só nos enobrece. A geografia histórica concentra, em dramas incomparáveis, em realizações esplêndidas, tudo aquilo que a imaginação pode evocar.

Em nossa época de crise aguda, em que a sociedade se concentra tão profundamente abalada, em que o remoinho da evolução se torna tão rápido que o homem, tomado de vertigem,procura um novo ponto de apoio para a direção de sua vida, o estudo da História é tanto mais interessante quanto mais o seu domínio, cada vez mais amplo, oferece uma série de exemplos mais ricos e mais variados. A sucessão das idades se torna para nós uma grande escola, cujos ensinamentos se ordenam diante de nosso espírito e acabam até por se agruparem em leis fundamentais.

A primeira categoria de acontecimentos que o historiador constata nos mostra como, pelo efeito de um desigual desenvolvimento nos indivíduos e nas sociedades, todas as coletividades humanas, com exceção dos povos que permaneceram no naturismo primitivo, se desdobram, por assim dizer, em classes ou castas, não apenas diferentes, mas também opostas em interesses e tendências, até mesmo francamente inimigas em todos os períodos de crise. Tal é, sob mil formas o conjunto de fatos que se observa em toas as regiões do universo, com a infinita diversidade que determinam os sítios, os climas e o dédalo cada vez mais intricado dos acontecimentos.

O segundo fato coletivo, conseqüência necessária do desdobramento dos corpos sociais, é que o equilíbrio rompido de indivíduo a indivíduo, de classe a classe, oscila constantemente em torno de seu eixo de repouso: a violação da justiça sempre clama vingança. Daí, incessantes oscilações. Aqueles que comandam procuram permanecer como chefes, enquanto os que servem fazem esforços para reconquistar a liberdade e em seguida, arrastados pela energia de seu élan, tentam reconstituir o poder em proveito próprio. Assim se sucedem guerras civis, complicadas com guerras estrangeiras, massacres e destruições, numa confusão contínua, finalizando diversamente, de acordo com o impulso respectivo dos elementos em luta. Ou então os oprimidos se submetem, tendo esgotado sua força de resistência: morrem lentamente e se extinguem, não tendo mais a iniciativa que faz a vida; ou então é a reivindicação dos homens livres que os conduz, e no caos dos acontecimentos pode-se discernir verdadeiras revoluções, isto é mudanças de regime político, econômico e social, devidas à compreensão mais clara das condições do meio e a energia das iniciativas individuais.

O terceiro grupo de fatos, relativos ao estudo do homem em todas as idades e regiões, no confirma que qualquer evolução na existência dos povos só pode ser criada pelo esforço individual. É na pessoa humana, elemento primário da sociedade, que é preciso procurar o choque impulsivo do meio, destinado a se traduzir em ações voluntárias para difundir as idéias e participar nas obras que modificarão o feitio das nações. O equilíbrio das sociedades só é instável por causa do distúrbio imposto aos indivíduos em sua franca expansão. A sociedade livre se estabelece pela liberdade alcançada, no seu desenvolvimento completo, a cada pessoa humana, primeira célula fundamental, que se agrega em seguida e se associa, como lhe agrada, às outras células da mutável humanidade. É na proporção direta dessa liberdade e desse desenvolvimento inicial do indivíduo que as sociedades ganham em valor e nobreza: é do homem que nasce a vontade criadora que constrói e reconstrói o mundo.

A “luta de classes”, a procura do equilíbrio e da decisão soberana do indivíduo, tais são as três ordens de fatos que nos revela o estudo da geografia social e quem no caos das coisas, se mostram bastante constantes para que se possa dar-lhes o nome de “leis”. Já é muito conhecê-las e poder dirigir, segundo elas, sua própria conduta e sua parte de ação na gerência comum da sociedade , em harmonia com as influências do meio, conhecidas e analisadas a seguir. É a observação da Terra que nos explica os acontecimentos da História, e esta nos leva, por sua vez, a um estudo mais aprofundado do planeta, a uma solidariedade mais consciente do nosso indivíduo, ao mesmo tempo tão pequeno e tão grande, como o imenso universo.

Fonte: ANDRADE, Manuel Correia de (org). Elisée Reclus. Geografia, coleção Grandes cientistas sociais. São Paulo: Ática, 1985.

Nenhum comentário: